CALÍ DOS ANJOS

Calí é editor e diretor, associado com a empresa de produção Suma Filmes (RJ) e editor do I Hate Flash and Prodigious. Seus projetos são focados principalmente em questões queer. Dirigiu e editou o curta-metragem Tailor (apoiado pela Rio Filme), selecionado em mais de 130 festivais em 2017, entre os quais o Festival Internacional de Animação Anima Mundi (São Paulo / Rio de Janeiro), o Dok Leipzig, o Queer Lisboa (“Prémio do Público”) e Chéries-Chéries em Paris. Também editou a série virtual Drag-Se, transmitida no canal Canal Brasil, além de ser piloto da série Drag-Se Summer House (Prêmio Best Entertainment Pilot no Festival Internacional de Audiovisual do Rio de Janeiro).

Craca Beat et Dani Nega

Vencedora do Prémio dos Profissionais da Música no Brasil, esta dupla é verdadeira “insurreição musical” já participou em vários grandes festivais brasileiros. Os seus concertos têm por vezes uma dimensão audiovisual concebida por Craca Beat, também um artista visual: um sistema de videomapping sincronizado com o equipamento musical que dá ao concerto uma verdadeira imersão audiovisual que sustenta o discurso político de Dani Nega. A dupla também lançou o vídeo “Papo Reto”, dirigido pelo premiado diretor de documentários Day Rodrigues (Black Women, World Projects), e faixas de seus álbuns foram usadas em muitos filmes, como “Chega de Fiu”. Fiu”.

ERICA MALUNGUINHO

Erica Malunguinho é transativista, arte-ativista, pretativista, agitadora cultural e educadora. Mestra em Estética e História da Arte. Tornou-se a primeira deputada estadual trans eleita no Brasil, em 2018, com mais de 55 mil votos no estado de São Paulo. Nascida no Estado de Pernambuco, vive em São Paulo há 17 anos. Antes de entrar na política institucional, trabalhou na educação de crianças e adolescentes, com ampla atuação na formação de professores. Erica é conhecida por ter parido, na região central da cidade de São Paulo, um quilombo urbano de nome Aparelha Luzia, território de circulação de artes, culturas e políticas pretas, visível também como instalação estético-política, zona de afetividade e bioma das inteligências negras.

FABIANA EX-SOUZA

Fabiana Ex-Souza é uma artista e pesquisadora afro-brasileira baseada em Paris. Apoiada por uma bolsa da instituição CAPES-Brasil, fez seu doutorado em Artes Visuais e Fotografia na Universidade de Paris VIII, desenvolvendo sua pesquisa em estética descolonial. Fez seu mestrado em artes com foco na arte contemporânea brasileira. Formado em Belas Artes, Ex-Souza desenvolve diversos projetos artísticos (fotografia, performance e vídeo), enfocando principalmente os processos de reexistência de afro-brasileiros diante das consequências da opressão colonial-racial.

FABRICE HOUDART

Oficial de Direitos Humanos no ACNUDH em Nova Iorque trabalhando na temática de orientação sexual e identidade de gênero. Anteriormente, Oficial Sênior para a Região do Magreb ((Algeria, Morocco, Tunisia, Malta, Libia) e Gerente do Fundo Nórdico do Projeto, “Sexual Orientation, Gender Identity, and Development” no Banco Mundial. Foi Presidente da iniciativa GLOBE Banco Mundial, grupo de empregados LGBT do banco.

GIOVANNA RINCON

Ativista e ativista na luta contra a AIDS e pelos direitos das mulheres trans-migrantes na França. Giovanna é fundadora e presidente da Acceptess-Transgender (Ações Conciliatórias Concretas: Educação, Prevenção, Trabalho, Equidade, Saúde e Esporte para Pessoas Transgêneras), uma associação que defende os direitos dos transexuais mais vulneráveis ​​com um prisma intersetorial.

JEAN WYLLYS

Jean Wyllys é um professor, jornalista e político brasileiro que chegou à fama depois de vencer a quinta temporada do Big Brother Brasil. Ele também foi notável como sendo o segundo membro do parlamento abertamente gay do Brasil. Ele foi comparado a Harvey Milk por seu trabalho.

JOAO GABRIELL

Jean Wyllys é um professor, jornalista e político brasileiro que chegou à fama depois de vencer a quinta temporada do Big Brother Brasil. Ele também foi notável como sendo o segundo membro do parlamento abertamente gay do Brasil. Ele foi comparado a Harvey Milk por seu trabalho.

MÔNICA BENÍCIO

33 anos, ativista lésbica brasileira nascida e criada na favela da Maré na cidade do Rio de Janeiro. É ativista de Direitos Humanos, feminista, militante LGBTI+, arquiteta urbanista pela PUC-Rio onde também faz mestrado sobre Violência e Direito à Cidade. Companheira de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro, barbaramente executada vítima de um crime político.

NIKITA DUPUIS

Ele tem sido ativista em questões de transmasculinidade por 7 anos em organizações sociais como o Colectivo Entre-Tránsitos, o Hombres en Des- Orden e a Rede Distrital dos Homens Trans. Comunicador social e Jornalista com especialização em política externa, com diversos estudos complementares em torno dos temas direitos humanos, arte e política, diversidade sexual e de gênero, cultura e comunicação e processos sociais. Vinculado como funcionário público desde 2010 em entidades como a Secretaria de Governo e Secretaria de Integração Social de Bogotá, onde desenvolve ações para a construção de agendas públicas e territorialização da Política Pública LGBT para Bogotá. Atualmente é consultor da OIM e do Ministério do Interior em uma abordagem diferenciada no programa de fortalecimento institucional para vítimas no contexto do conflito armado.

PRI BERTUCCI

Artista social, identifica-se como Gender Queer. Fundador e presidente do [SSEX BBOX], projeto de justiça social que atua em San Francisco, São Paulo, Berlim e Barcelona. Usa suas habilidades criativas de arte multimídia, abordagem somática e Comunicação Não-Violenta (CNV) para trabalhar com pessoas e organizações em suas comunidades, trazer novas maneiras de pensar e ser, e de propor desafios sociais ao mundo. Trabalha também em parceria com Center for Sex and Culture, que possui um dos maiores acervos de obras nas áreas de gênero e sexualidade dos Estados Unidos.

SAM BOURCIER

Sociólogo que contribuiu significativamente para a introdução da teoria “queer” na França. Ativista e pesquisador da teoria queer, professor na Universidade de Lille III, onde leciona estudos culturais, teoria feminista e teoria queer. Autor de entrega sóbria a queer queer (Zonas Queer e Sexpolítica), publicou artigos sobre constrangimento, sexualidade, pornografia e pós-pornografia, subculturas sexuais, feminismos, feminismo postar, minorias e política de identidade na França e no exterior.

* USAMOS O ‘E’ EM ‘CONVIDADES’ (E O ‘X’ EM ALGUNS CASOS) COMO TENTATIVA DE INCLUSÃO DO GÊNERO NÃO BINÁRIO NA LÍNGUA PORTUGUESA E COMO ALTERNATIVA PARA A USUAL GENERALIZAÇÃO NO MASCULINO.

Scroll Up